O meu Super-Herói

 

Imaginar a figura de Carvalho Araújo, tombando e agonizando, após ter sido atingido pelo estilhaço de uma granada não é fácil para mim. Apesar de ter nascido 53 anos após a sua morte, sempre senti uma forte ligação com este homem, meu bisavô.

Não pelo estatuto de herói, não pelo facto de ter tomado parte num dos mais mencionados combates históricos portugueses (e do mundo!), mas pela sua forma de estar, pelos seus ideais. Admiro-o por aquilo que foi, pelo seu carácter, não por aquilo que fez ou por aquilo que teve, porque aquilo que teve, qualquer um poderia tê-lo, aquilo que fez, qualquer um poderia fazê-lo, mas ser como ele… ninguém jamais poderia sê-lo!

Desde pequena, sempre me habituei a ouvir histórias que a minha avó e o meu pai me contavam. Não seria portanto, de estranhar, que, ao contrário dos meus amigos, eu tivesse um herói muito real. Ele não tinha superpoderes, tampouco era imbatível. Mas quero acreditar que, através de nós, ele sobreviverá. E é nisto que consiste a sua eternidade.

AnaGuerreio_emVR_Estatua_CA

Deixe uma resposta